O estilo coque samurai não passa despercebido. Muito menos os gols. Dos 47 gols marcados pelo Coritiba na Série B, 16 foram dele. De perna direita, de cabeça ou de pênalti, Léo Gamalho foi responsável por um terço das bolas na rede. Decisivo.

Contratado para a missão de ser o "homem-gol" do Coxa na Série B, Léo Gamalho cumpriu o papel de goleador e não decepcionou ao longo do campeonato. Desde março no clube, o centroavante mostrou a que veio e correspondeu às expectativas. Com presença de área, o "Ibra do Nordeste" conquistou fãs, virou o "Ibra das Araucárias" e deixou a torcida "gamalhizada".

Aos 35 anos e um currículo com mais de 20 clubes em sete países diferentes, Gamalho já superou o seu desempenho em 2020, pelo CRB, quando marcou 18 gols em 30 jogos. O desempenho em 2021 pelo Coxa só fica atrás de 2014, quando anotou 32 gols pelo Santa Cruz e foi o vice-artilheiro do Brasil, atrás apenas do Magno Alves, que fez 37.

Léo Gamalho ajeita o coque samurai
Léo Gamalho ajeita o coque samurai| Albari Rosa/Foto Digital/UmDois

“Foi um acerto vir pro Coritiba”

Com perfil discreto, e nada marqueteiro, o centroavante foi uma das principais contratações do Coritiba na temporada. Em agosto, em entrevista ao UmDois Esportes, foi taxativo ao dizer que “foi um acerto vir para o Coritiba”.

Referência, precisou de poucas finalizações e se firmou como peça fundamental na conquista do acesso. Atacante experiente em Série B, campeonato que conhece como poucos, o camisa 9 bagunçou e arrastou as defesas adversárias, seja no pivô ou com bom posicionamento e ainda abriu espaço para companheiros como Igor Paixão e Waguininho.

Léo Gamalho é responsável por um terço dos gols do Coritiba
Léo Gamalho é responsável por um terço dos gols do Coritiba| Albari Rosa/Foto Digital/UmDois

E na Série A?

Gamalho tem contrato com o Coxa até dezembro de 2022. Com a confirmação da vaga garantida na primeira divisão no próximo ano, o que esperar do centroavante na elite?

Veja, abaixo, as opiniões dos especialistas:

Guilherme de Paula, comentarista da rádio Transamérica e da Rede Massa

“Eu considero que a combinação Coritiba na Série A com Léo Gamalho pode ser interessante para os dois lados. Camisa 9 não é barato, é um mercado difícil de se encontrar soluções, ainda mais quando é preciso ser muito criativo por uma questão financeira. Na faixa e na média dos centroavantes que o Coritiba pode contratar, mesmo mudando receita na primeira divisão, eu vejo que o Léo é um cara que pode cumprir o seu papel.

De fato, ele tem uma marca na carreira de ainda não ter conseguido fazer uma Série A do mesmo tamanho da Série B que ele faz normalmente, e até de Copa do Brasil, onde ele já foi artilheiro algumas vezes, porque há diferença técnica. Na Série B, normalmente, ele sobra. Na A, ele não vai sobrar, mas é o suficiente para aquilo que o Coritiba necessita e pode contratar”.

Carneiro Neto, jornalista e colunista do UmDois Esportes

“É muito interessante falar sobre o Léo Gamalho, um jogador que era até desconhecido por algumas pessoas, pelas suas inúmeras mudanças de time, ou pelas passagens mal sucedidas em clubes de maior prestígio. Mas a sua presença no Coritiba foi arrebatadora e absolutamente surpreende à medida que se apresenta como um jogador com dinâmica de jogo moderna, com visão periférica, que sabe chutar, cabecear, e se colocar na grande área. Um atacante completo. A gente fica sem ter uma resposta efetiva sobre as razões pelas quais ele não se firmou na constelação dos grandes astros do grande futebol brasileiro. Mas, para o Coritiba ele tem sido muito importante, e eu diria até fundamental nas operações ofensivas, um jogador com largos recursos técnicos e que está ajudando o Coxa a voltar à Série A.

Agora, se ele vai fazer boa figura na primeira divisão, aí é um outro patamar. Os adversários são de outro nível, a competição é completamente diferente. Então, não dá para fazer um prognóstico, só mesmo conferindo jogo a jogo que vamos poder estabelecer um paralelo do Léo Gamalho que vai muito bem na Série B e um Léo Gamalho que vai tentar a sorte vestindo a camisa do Coritiba na Série A”.

Raí Monteiro, comentarista da Bandsports e Conmebol TV

“Na Série B, o Coritiba, como é um dos times mais fortes, existe um contexto em que na maioria dos jogos vai ter a bola, propor mais o jogo, colocar o adversário para trás e vai facilitar a questão de ter um centroavante na área, esperando para finalizar. Na Série A,  será muito diferente. Na maioria dos jogos, o Coxa deve jogar mais para se defender e contra atacar. Então, não sei ele pode funcionar tanto, porque vai ser menos abastecido, vai ter que ser um time que vai correr mais para chegar ao ataque, e talvez não jogue tanto em função de um 9. Acho que vai passar pela montagem do elenco.

É importante ter jogadores experientes para jogar uma primeira divisão, mas não sei se formar um time com a maioria deles pode ser uma boa receita para se manter. É uma competição diferente, e que vai exigir uma postura diferente. Vai ser um time que vai jogar menos para ele, e talvez ele renda menos, e isso vai passar por isso uma boa temporada ou não dele em 2022”.

Léo Gamalho no Coritiba

23 gols no ano
16 na Série B, sendo 3 gols marcados no primeiro tempo e 13 gols marcados no segundo tempo
47 jogos, 46 como titular
5 assistências no ano, sendo 3 na Série B

Participe da conversa!
0